Família

28/11/2018 09h30

Depressão pós-parto x Mommy Burnout

A maternidade pode vir acompanhada de alguns transtornos. Apesar de parecidos à primeira vista, a depressão pós-parto e o mommy burnout são bem diferentes.

Por Nosso Bem Estar

Pxhere | Pixabay
Exhausted mom5

Tomadas pelo cansaço, exaustão, falta de motivação e emoções diversas, essas novas mamães desenvolvem problemas muito graves, que podem resultar em consequências bem graves como a depressão pós-parto e o mommy burnout.

Embora a maternidade seja uma época de renovação e muito amor, essa não é a realidade para muitas pessoas que se enchem de expectativa ao longo de 9 meses, para encarar algo inesperado. Tomadas pelo cansaço, exaustão, falta de motivação e emoções diversas, essas novas mamães desenvolvem problemas muito graves, que podem resultar em consequências bem graves como a depressão pós-parto e o mommy burnout.

 

 

Depressão pós-parto x Mommy Burnout

É muito comum que essas duas situações sejam confundidas ou até mesmo não levadas a sério dependendo da personalidade da nova mamãe. Porém, é necessário entender que cada uma tem um peso e um tratamento diferente.

A depressão pós-parto ocorre logo após o parto. A mamãe pode sentir tristeza, desesperança, vontade de chorar. Ela pode estar associada ou não ao ciclo hormonal final da gravidez e, por isso, merece atenção.

Diferente do baby blues, que é uma situação de depressão leve após o parto capaz de durar até 15 dias, a depressão pós-parto é algo bem mais grave que pode resultar em desprazer pela vida, desinteresse sexual, transtornos alimentares, problemas de sono e até mesmo a falta de reconhecimento do bebê.

Já no caso do Mommy Burnout ou Esgotamento Materno, a nova mamãe acaba sofrendo com um problema não só psicológico, mas, também físico, a exaustão aparecendo como estresse. A nova rotina atinge com mais força as mães perfeccionistas, que precisam se adaptar a uma realidade totalmente nova e bastante cansativa

As várias noites sem dormir direito, o trabalho doméstico intensificado e, as vezes, a falta de cooperação do parceiro são causas comuns, uma vez que o Mommy Burnout está relacionado com a forma com que a mamãe e sua família encaram a nova rotina, não com o bebê em si.

 

Como identificar um ou outro?

Embora as duas situações sejam parecidas, é necessário buscar por um profissional especializado para identificar corretamente. Abaixo seguem alguns itens a se analisar.

Sintomas do Mommy Burnout

  • Sentimento de culpa: se qualquer coisa foge do controle, a mamãe se responsabiliza;
  • Pessimismo: reclama muito dos problemas e vive mau-humorada sem conseguir ver as situações de outro ângulo;
  • Exaustão: mesmo dormindo o suficiente, não consegue se sentir bem consigo mesma. A sensação de vários problemas e coisas pra resolver é constante;
  • Sensação de fracasso e impotência: por mais que faça tudo do jeito certo e conclua seus objetivos, a mamãe se sente o tempo todo temerosa e incapaz de realizar as atividades que tomou para si;
  • Descompensação física: como o estresse é fator predisponente para o desenvolvimento de várias doenças, é comum que nessa fase apareçam “novos problemas” de caráter hormonal ou sistêmico sem causas aparentemente claras.

 

Sintomas da Depressão Pós-Parto

  • Sentimento de tristeza e desespero constante: diferente do Mommy Burnout, a mãe fica desamparada e triste o tempo todo, querendo fugir da responsabilidade;
  • Perda de interesse ou prazer: sejam atividades físicas, sexuais ou pequenos hobbies, eles são esquecidos ou deixados de lado com frequência, por se tornarem “chatos” ou “trabalhosos demais”;
  • Pensar em morte ou suicídio: embora não seja tão comum, é um agravo no quadro que precisa urgentemente de tratamento.
  • Perda ou ganho de peso acentuado;
  • Vontade de comer menos ou mais do que o habitual;
  • Dormir muito ou insuficiente: aqui, a mamãe não consegue descansar independentemente do tempo que tome;
  • Inquietação ou indisposição: pode variar entre um ou outro, mas, haverá predominância em algum caso;
  • Dificuldade de concentração;
  • Dificuldade na tomada de decisões;
  • Ansiedade;
  • Excesso de preocupação;
  • Evolução para psicose pós-parto;

 

Tratamento

Em geral, se os sintomas persistem por duas semanas ou mais, é o momento perfeito para se procurar ajuda. Dado esse tempo, depressão leve e baby blues são descartados do diagnóstico e a mamãe pode ser levada um pouco mais a sério na consulta médica.

A depressão pós-parto e o Mommy Burnout podem ser diagnosticados não só pelos profissionais que cuidam da mente como também os médicos endocrinologistas e obstetras, por ser algo relativamente comum na rotina deles. Além disso, às vezes alterações hormonais estão envolvidas no processo e precisam ser tratadas para tornar o convívio da mamãe e do bebê mais fácil.

Em alguns casos, apenas o psicólogo é o suficiente para ajudar no problema. Mas, em casos mais graves, é imprescindível a participação do psiquiatra e a necessidade de uma terapia medicamentosa.

X